terça-feira, 30 de julho de 2013

Analise sua saudade, ela é do corpo ou da alma?

Quando a saudade é carnal, 

esse problema você pode resolver. 

A saudade da alma, só o amor resolve.

Quando você se livra da saudade


do corpo, você se liberta e encontra


as portas da sensibilidade aflorada. 


Um novo caminho de paixão se abre para você.


Você ganha uma nova visão amorosa,

sobre o sentimento do amor.

Pensar no corpo, é estar possuído

por ele. O desejo de ser possuído,

evita você ser dominado pelo corpo.


Liberte sua mente, faça o que

ela quer de maneira diferente,

todas as flores são espinhos que

fazem carinho.


Falar que ama alguém,

Ainda hoje, nunca é tarde

para reatar o amor.



Rhenan Carvalho

paciência x indecisões

Gosto de um gostar direto, sincero, sem definições de certo ou errado, sem pesos ou mágoas de relacionamentos passados, onde uma leve dificuldade até atrai, mas o impossível desanima. Gosto do simples, eu e você, sem turistas, quer mais simples do que isso????

singular.

Agradar o mundo é missão dos que não compreendem a vida. Dos que não sabem a importância de ser singular.
Ser a mesma pessoa sempre não é acepção de ser verdadeiro. Ser a mesma pessoa sempre é ser imutável, é viver uma segurança de território, é não ser adaptável a outros conteúdos e vivências. Arrisque que os outros te vejam de outra forma, arrisque surpreender e ser julgado, arrisque a não ser você, sendo você.
 

terça-feira, 23 de julho de 2013

A boniteza possível.

Imaginem um mundo de coisas limpas e bonitas, onde a gente não seja obrigado a fugir, fingir ou mentir, onde a gente não tenha medo nem se sinta confuso (não haverá a palavra nem a coisa confusão, porque tudo será nítido e claro), onde as pessoas não se machuquem umas às outras, onde o que a gente é apareça nos olhos, na expressão do rosto, em todos os movimentos — acrescentem a esse mundo os detalhes que vocês quiserem (eu me satisfaço com um rio, macieiras carregadas, alguns plátanos e uma colina — ou coxilha, como se diz aqui no Sul — no horizonte), depois convidem pessoas azuis para se darem as mãos e fazerem uma grande concentração para concretizar esse mundo — e, então, quando ele estiver pronto, novo e reluzente como se tivesse sido envernizado, então nós nos encontraremos lá e eu não precisarei explicar nada, nem contar nenhuma estória escura, porque estórias claras estarão acontecendo à nossa volta e nós estaremos sendo aquilo que somos, sem nenhuma dureza, e o que fomos ficou dependurado em algum armário embutido, junto com sapatos (quem precisará deles para pisar na grama limpa dessa terra?), roupas e enfeites (quem precisará de panos, contas ou cores na terra onde o ar será colorido e enfeitará nossos corpos?)— lá, eu digo, nós nos encontraremos entre centauros, sereias, unicórnios e duendes, e sem dizer nada, com um olhar verde (uma das minhas grandes frustrações sempre foi não ter olho verde — mas lá eu terei) eu direi o quanto gosto de vocês, e voaremos de tanta boniteza — combinado? — Caio Fernando Abreu

deve ser...

Penso que temos a necessidade de pôr nome nas situações para perder o medo delas...será?

Vc sente? Vc entende?


segunda-feira, 22 de julho de 2013

qual?


Constatação

A gente é aquele tipo de bagunça que, se 

arrumar, não dá certo.

quem é quem.....

Eu posso não saber nada de amor. Eu posso não saber como trazer seu amado em três dias. Eu até 

posso não ter conhecimento de algum assunto que você queira discutir comigo.

Eu posso não saber nada de santos, de preces, de milagres. Eu posso não ser santa (e quem disse que 

um dia eu quis ser?)

Mas se tem uma coisa que eu sei, é quem me faz bem. Eu sei quem me acrescenta, quem me torna 

uma pessoa melhor a cada sorriso, a cada carinho partilhado, a cada palavra. Esses, ah! Eu sinto de 

longe.

Deve ser porque a nossa essência se comunica. Sem que palavra alguma precise ser dita. 

quinta-feira, 18 de julho de 2013

e ele foi...



Devia ser sábado, passava da meia-noite.
Ele sorriu para mim. E perguntou:
- Você vai para a Liberdade?
- Não, eu vou para o Paraíso.
Ele sentou-se ao meu lado. E disse.
- Então eu vou com você.

RESUMO

Pra nós dois o mundo inteiro é um pequeno guarda-chuva que não conseguimos dividir sem se molhar.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

pois é...

Gente que reclama do meu orgulho, não conhece minha indiferença.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Açúcar ou adoçante?


Entra pra ver
como você deixou o lugar
E o tempo que levou pra arrumar
aquela gaveta
Entra pra ver
Mas tira o sapato pra entrar
cuidado que eu mudei de lugar
algumas certezas
pra não te magoar
Não tem porquê
Pra ajudar teu analista:
"Desculpa."
Mas se você quiser
alguém pra amar
ainda
Hoje não vai dar
Não vou estar
Te indico alguém
Mas fica um pouco mais
Que tal mais um café?
Ainda lembra disso?
Que bom
Mas se você quiser
alguém pra amar
ainda
Mas se você quiser
alguém pra anular
ainda
Desculpa, não vai dar
Não vou estar
Te indico alguém

trilha da noite.


O porre!

Garçom… que dose de mentira você tem?
- Temos: eu te amo, nunca vou te deixar, eu quero você comigo, sinto saudades e também temos uma que anda saindo bastante: ‘pode confiar em mim’.
- Ah… Manda todas que hoje eu quero me iludir!


nudez púrpura

No meu corpo nudez é muito mais sentimento do que fato.
E nasce no silêncio dos pensamentos teus.
De dentro para fora, feito flor do cerrado que tinge de púrpura toda aridez ao seu redor.
E dura até esgotarmos todo o desejo.

Nos sobra então o amor e a vontade de querer de novo.Sempre mais uma vez...

Porque só te sou nua se me percorre cada palmo,
Se esquece teus olhos em cima das minhas cores,
Se me faz despovoada, sépia, prá mais tarde poder me preencher.

No meu corpo nudez é muito mais.
 
J
á estive nua sem tirar uma peça de roupa sequer...

Sobre meias palavras

(...) Eles preferem não dizer nada. Preferem meias palavras e milhares de coisas não ditas. Ela quer atitudes, ele quer ela. Todas as noites ela pensa nele, e todas as manhãs ele pensa nela. E assim vão vivendo até quando a vontade de estar com o outro for maior do que os outros. Enquanto o mundo vive lá fora, dentro de cada um tem um pedaço do outroE mesmo sorrindo por ai, cada um sabe a falta que o outro faz. Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos. É fácil porque os dias passam rápidos demais, é difícil porque o sentimento fica, vai ficando e permanece dentro deles. E todos os dias eles se perguntam o que fazer. E imaginam os abraços, as noites com dores nas costas esquecidas pelo primeiro sorriso do outro. E que no momento certo se reencontram e que nada, nada seja por acaso.


[Tati Bernardi]

...e assim minha vida segue, pela metade.

Sobre quando puder retribuir

Eu gostaria de viver com você,
 mas não foi por isso que vim.
A intenção é unicamente deixá-lo saber
que é amado e deixá-lo pensar a respeito,
que amor não é coisa que se retribua de imediato,
 apenas para ser gentil.
Se um dia eu for amada
do mesmo modo por você,
me avise que eu volto,
 e a gente recomeça de onde parou,
paramos aqui.

sobre a preguiça

Ando com tanta preguiça de sofrer, 
acho que minhas dores se cansaram de mim.

Tenho estado diferente... sem aptidão para repetições.
Com alguns machucados atravessados no peito, sentia medo de não reconhecer mais a inocência,  mas hoje percebo que eles podem até ter feito faltar sorrisos, mas nunca motivos.
Então cansei de doer.
Agora vivo diante desse tobogã de possibilidades que é a vida. Afinal, foi na desistência que comecei a crescer...
E, por tudo que doeu, agradeço, trago comigo infinito acervo afetivo.

À noite, antes de dormir, diante do espelho, falo :
- Ei... preciso saber se você ainda está aí...
Fecho os olhos, e percebo que estou.
Então, 
acho que dou conta de mim.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

relatividade


Você acha que tenho muitas dificuldades no meu caminho porque não sabe a quantidade de sonhos que carrego no coração.

Amar é vertigem!

Num espanto, tomo consciência de meus desejos pilhados, 

de minhas frustrações, de minhas esperas, de minha 

ausência contínua, das minhas palavras tão bem 

direcionadas, cheias de nomes ocultos, de amores secretos, 

que acumulo nos meus recônditos, na minha soberba, no 

meu orgulho de estar de pé no sol seguinte, mesmo 

sabendo que qualquer amor, existe apenas na queda, na 

pobreza e na miséria maior.

Amar é vertigem.


quarta-feira, 10 de julho de 2013

aqui dentro

Eu não preciso chorar para mostrar que estou triste. Nem gritar para dizer que sinto dor. Muito menos sorrir para deus e o mundo para provar que sou feliz. Não preciso aparentar para ser, demonstrar para estar. Meu mundo acontece aqui dentro. E ele não é menor ou maior que o seu: é simplesmente o meu. Ele é meu com todas as letras, ele é meu em cada palavra, com todos os silêncios, com todos os incêndios. Eu ouvi meu choro, eu escutei meu grito, eu senti minha dor e eu gargalhei em paz sem precisar invadir o seu mundo com coisas tão minhas, com coisas tão lindas, com coisas tão findas que se repetem infinitamente: aqui dentro. [cartas para não sei quem; antônio]

segunda-feira, 8 de julho de 2013

JUSTIÇA.

MEU PASSADO ME CONDENA, MAS NÃO ME PRENDE! 

quarta-feira, 3 de julho de 2013

percepção

Entregue às eucaristias de afetos passageiros, o destino ia prosseguindo
vez ou outra desviando sua rota. Quando percebi que ele
não tinha o mesmo cheiro do príncipe
de minhas histórias,
 fui embora.
 
Lídia Martins

terça-feira, 2 de julho de 2013

Você prefere ter razão ou ser feliz?????


O que você disse?

Prepare um belo discurso. Gaste suas melhores palavras. Utilize todos os seus argumentos. Eu não consigo ouvir o que você diz.

Mais do que na força das palavras, eu acredito no poder das atitudes. Na grandeza dos gestos. Nas sutilezas das ações. Guarde seus dizeres para utilizá-los depois que fizer. Eles serão apenas um complemento.

Haja o que houver, aja.

Palavras quando não andam sincronizadas com nossos pés, não chegam a lugar algum. Não dizem absolutamente nada.

É na coerência das ações que a gente se encontra e o outro nos reconhece.
Ninguém pode viver preso em um discurso.

Ou seja,



Seja!


Fernanda Gaona



AMOR E REVERÊNCIA

O amor deseja, o medo evita. Por causa disso não podemos 

ser amados e reverenciados pela mesma pessoa, não no 

mesmo período de tempo, pelo menos. Pois quem 

reverencia reconhece o poder, isto é, o teme: seu estado é 

de medo-respeito. Mas o amor não reconhece nenhum 

poder, nada que separe, distinga, sobreponha ou submeta. 

E, como ele não reverencia, pessoas ávidas de reverência 

resistem aberta ou secretamente a serem amadas. 
Friedrich Nietzsche em "Humano, demasiado humano"

pra onde?

Sou bem mais feliz que triste, mas às vezes fico distante. E me perco em mim como se não houvesse começo nem fim nessa coisa de pensar e achar explicação pra vida. Explicação mesmo, eu sei: não há. E me agarro no meu sentir porque, no fundo, só meu coração sabe. E esse mesmo coração que me guia e não quer grades nem cobranças, às vezes me deixa sem rumo, com uma interrogação bem no meio da frase: - O que eu quero mesmo?

"eu"

Já não quero ser grande, forte, inatingível.
quero ser, por hora, de um tamanho que
eu ainda me reconheça, que ainda saiba
me encontrar no passado ou um dia no futuro.
Quero ser humana, quero ser carne e osso,
quero sentir, quero tocar... quero poder
ser isso que sou na medida qualquer do tempo,
estar sempre pronta a me recompor das tempestades;
Não devo estar tão errada...

Há tanta água no oceano que se deixa evaporar
pelo único prazer de voltar a ser uma gota de chuva.



segunda-feira, 1 de julho de 2013

Finalmente, pronta?

Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que terminou,
externamente, sem nossa concordância,
mas que precisa também sair de dentro da gente…
E só então a gente poderá amar, de novo.
Martha Medeiros

éééééé!

"Espero alguém que fique me chamando para dormir, que fique me chamando para despertar, que não precise me chamar para amar." 

 (Fabrício Carpinejar)

Fast!


sem justificativas.....

Minha verdade sempre será questionada, mas não me justifico, não preciso. 

Acredito que quem me ama me aceita assim, com uma certa insanidade 

dosada, com essa sinceridade escancarada. Cara lavada, braços abertos, 

briga da boa, aconchego, afeto.