sexta-feira, 31 de maio de 2013

quando percebe-se..

...que estar perdido é bom: significa que há caminhos...

quando passa...

Você percebe que a mágoa passa quando se lembra de como a coisa começa mais do que como a coisa termina.

tudo é agora.

Ele: Você sempre foi muito intensa.
Ela: Quero viver tudo que me é oferecido
Ele: Já se machucou muito por isso!
Ela: Não me arrependo.
Ele: Qual foi a melhor fase da sua vida?
Ela: Hoje, agora.

Eternamente....Aprendiz

Sobre os pingos nos ís

Ele: Você continua interessante!
Ela: temos uma vontade imensa do outro.
Ele: inexplicável não nos desligarmos.
Ela: tivemos algo incomparável.
Ele: e inquietante.
Ela: foi importante...
Ele: intenso demais.
Ela: penso existir amor inesgotável, será?
Ele: vc me instiga.
Ela: vc me ilumina!
Ele: sentimentos incalculáveis.
Ela: pena ser impossível.
Ele: bom colocar os pingos nos ís.

domingo, 26 de maio de 2013

Enquanto isso no zap...

Não faço a menor ideia de como esperar você querer, porque se eu esperar, talvez eu não queira. (Sou dessas)

questão de dias



Eu quero te abraçar pra congelarmos juntos.....Gobstopper, meus amores.

eu gosto de voar cabelo em vento de estrada..




isso, nunca mais...

Me recuso a virar dor pra não virar fim.

incêndio



Só quem está pegando fogo pode ter a chama apagada.


... pra virar cinza, minha brasa demora.....

quem é esse tal de "você" afinal????


da série : tem, mas acabou...

Não me tortura a tua ausência. Tenho um amor que cresce, brilhante, incontáveis centímetros por dia – enraizou-se no céu da boca; escreveu poemas. Não há tratamento para o que fomos nem haverá tratamento para o que não seremos. Seguiremos doentes de nós…

sobre pedras, caminhos e flores...



...quando tudo for pedra, atire a primeira flor.

Placar do Jogo:

Afinidade 18 x Infinidade 02

Voltamos à nossa programação normal!

any time...

Equívoco!


A rua me chama, eu tenho que ir pra LUA.

sábado, 25 de maio de 2013

leitura da noite

Atravessamos o presente de olhos vendados. No máximo, conseguimos pressentir e adivinhar aquilo que estamos a viver. Só mais tarde, quando se desata a venda e examinamos o passado, é que nos apercebemos daquilo que vivemos e compreendemos o seu sentido.
Pensava eu que naquela noite estava a brindar ao meu sucesso e nem por sombras imaginava que era a abertura solene do meu fim.
Milan Kundera

nomes aos bois


...

É amor, mas poderia se chamar "uma estranha máquina de fazer feridas"

sobre o silêncio....


O problema do silêncio é que amplia tudo. 
Mas se precisares que te minta
dir-te-ei a mentira maior:
Sei ser inteira sem ti .

criança- menina-mulher

Exagerada


Voltaste com a força da madrugada. Entre o escuro procurei arrancar as lembranças do meu corpo. Tenho a sensibilidade à flor da pele, renasço de um cheiro já sentido e gasto tornado-se pequeno o espaço, entre mim e o reflexo do teu olhar. Voltaste...
À procura de um lugar. Pertence-te. Deixa-me apenas tocar, entregar-me, soltar-me e mostrar-te, insinuar-me para que entendas mesmo no escuro, sem som e sem gesto, sem pressas e sem promessas, que sou somente e apenas tua. Agora podes ir embora...

criança-menina-mulher

Frase do dia:


"Prefira uma pessoa que te odeia a uma pessoa que te ama mas não sabe o que fazer com isso."

P.A.


"Algumas mulheres acreditam no sexo com o pau amigo, o homem limpinho que aparece de vez em quando só pra dar uma comidinha e tchau. Eu acredito no sexo com o amigo sem pau. O homem que aparece de vez em quando e te busca em casa, abre a porta do carro, elogia sua roupa, escolhe os melhores ingressos, faz você morrer de rir, conversa sobre tudo, dá conselhos, cuida de você, sobe com você até seu apartamento, curte um som, dorme de conchinha, te abraça forte e…vai embora. Isso sim é dar uma, ao meu ver." 

[Tati Bernardi falando por mim]

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Sobre nós duas...


"A mais carinhosa também é a mais bruta
a mais inteligente é ao mesmo tempo a mais sensível
a mais bonita é a mais emburrada
a mais esperta é ao mesmo tempo a mais mundo da lua
a mais bem humorada também é a mais chorona
a mais falante é ao mesmo tempo a mais secreta
a mais velha é ao mesmo tempo a mais moleca
a mais moça também é a mais madura
uma não vive sem a outra e eu não vivo sem as duas."



[Martha Medeiros]

Sobre ir onde o vento for...


Essa coisa de pegar carona nas horas, definitivamente, não era com ela.
Ela era muito agora.
E o agora dela, era do tamanho do mundo.

Resumo da semana

Uns dizem que nunca vai dar certo. Outros dizem que fomos feitos um pro outro.
Eu prefiro não dizer nada.

Porque hoje é sexta-feira!


Vai dar m...


Os dias passam 
na velocidade 
de um pavio de bomba
 aceso.......

a resposta?



E no meio de tantas perguntas, eis que toca essa música.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Trilha da tarde.....


Eu quis te convencer, mas chega de insistir
Caberá ao nosso amor o que há de vir
Pode ser a eternidade má
Caminho em frente pra sentir saudade

Sobre a duração das coisas



Ele durava pouco.
E a noite era imensa.
A menina tão linda, tão safa, tão dele, e mesmo assim ele não sabia mais ficar.
Mas ela insistia.
E via nele coisas que estranhamente ninguém mais reparava.
Via seus olhos de luz.

Mas ele não acreditava mais, então nem percebia.
E ali, ao seu lado, a menina esteve sempre só.

Sobre exatidão...


"Todos os amores deveriam ser possíveis.
Pessoas não deveriam chegar nem antes nem depois.
Tudo deveria ser exatidão.
Pontualidade vital para que o amor aconteça.
A Terra deveria girar com esse único propósito:
O encontro das almas.
O resto seria resto.
E tudo seria pra sempre
Brilhar pra sempre.
Brilhar como um farol.
Brilhar com brilho eterno.
Gente é pra brilhar.
Esse é o meu slogan.
E do sol."
[ Maiakóvski]

Das vezes que volto pra mim

Deixei poucas pessoas conhecerem a mulher que me habita. Essa de verdade, cheia de imperfeições e desordens íntimas, mas que carrega mais ternura do que se pode imaginar. Eu e meus olhos atrevidos, minha fome de amor, e essa fragilidade engraçada de quem quer ser a protagonista de um sonho bom.Não que eu quisesse um compromisso com a eternidade, mas poucos souberam do meu corpo, das minhas marcas, das manhãs de preguiça e do rosto sem maquiagem. É que preciso acreditar para me mostrar. Porque se mostro meus medos, minhas incoerências e fraquezas, e só o que consigo é uma rasteira, fico tão desabitada.Sou uma cidade vazia.

Acho que é por isso que por muito, muito pouco, fecho a porta e volto para a minha vida.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Dia de fé!

A fé ri das impossibilidades...e hoje ela está dando gargalhadas. 

domingo, 19 de maio de 2013

primeira pessoa

Há nela um amontoado de histórias, uma legião de dores e um tantão de sonhos.
Ela sabe que ser santa não garante o lugar no céu, e por isso nem se preocupa em seguir as convenções.
Ela tem muitas urgências, mas tem medos.
Dúvidas gigantes a assombram, mas as certezas, maiores ainda, embalam o balanço da rede.
Conhece bem o teor dessa história, que não é nova; e todos os nós na garganta que podem acontecer no caminho. Mas no impeto de agarrar a felicidade de joga no incerto e vai. Segue!
Ela sabe ter o coração acelerado, o corpo suado, e beijo perfeito, e torce, com todo o coração, que saibam, os dois, ter a delicadeza necessária para deixar o sentimento fluir, se tiver que fluir.
Ela acredita que  "amor" combina muito mais com "viver" do que com "guardar".

sábado, 18 de maio de 2013

Resumo da semana.

Mais dia, menos dia,
                              menos dias, mais certezas.

Prece do dia

Que todas as coisas sejam iguais
que o vermelho seja verde
o azul seja amarelo
e sempre seja nunca mais

...

Não fosse isso e era menos
Não fosse tanto e era quase

Verdade


É fato, é verdade; eu cultivo a loucura. Cultivo a loucura para tornar a realidade suportável. Porque a realidade é inominável. A loucura ou o pesadelo é suportável. Acordamos e lembramos que não era a realidade. Da realidade jamais despertamos. 

Paulo de Tharso

sexta-feira, 17 de maio de 2013

desejo do dia!


Depois do café da tarde....


Decidi.
Baixei a guarda.
Vou me permitir trocar a eternidade pelo instante. (e isso para uma capricorniana, acredite,  é quase um milagre)
É que você me olha como se o mundo fosse acabar nos próximos três minutos, como se a gente não pudesse nunca mais adiar um beijo, um toque, um cheiro.
E essa urgência vai derretendo tantas culpas, tantas razões...
Agora sei que distante o desejo castiga,
e que entre o ‘certo’ e o ‘errado’ está a vida.
Se nossas bocas se precisam, se pode ser palpável, se teu cheiro quer ficar em mim, então te conto todos os segredos que moram entre o meu pescoço e os meus seios.
São teus. 
Guarda com você.
Me guarda com você.
E seja o que tiver de ser.
(e não são correntes se arrastando, só auto permissão =D)

Sobre o que sou e o que quero


Eu podia ser mais magra, ter uma boca maior, e muito menos rugas. Mas tenho cuidado mais da minha musculatura emocional do que da outra.
E ando bem cansada dessa gente que se gaba só disso.
Gosto quando vejo em alguém que uma camada se levanta. Depois outra. E mais uma. Cada qual mais bonita, mais misteriosa.
Gosto do corpo possível, da fragrância que vem da alma, do prazer das simplicidades.
Bonito é ser a gente.
É a comunhão do visível e do invisível.
Bonito é isso,
e a liberdade de viver assim é boa demais para se renunciar.

historinhas, muitas.

Olho para essa menininha que já fui, e sorrio. Aposto como, nem de leve, ela podia imaginar a mulher que me tornei. Percebo que ainda temos os mesmos olhos, embora agora estejam mais cansados.De vez em quando faço isso, volto ao meu quintal ancestral… às vezes gosto, às vezes não, de ver a passagem do tempo. Mas não conto a ela, tão pequena, tão doce, desse meu possível endurecimento. Não por proteção, mas por delicadeza.A menininha que já fui olha para mim como se eu fosse uma verdade metafísica. Não sou. Talvez ela é que tenha sido, mas não tem importância, porque uma coisa é certa, e essa eu conto à ela : não fiquei só sentada ouvindo as historias dos outros… Fui, e vivi. E tenho tido tanta coisa para contar…

Hoje


Tem dias em que não importa a posição do corpo, nossa alma está de joelhos.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

o dia

Hoje é um daqueles dias em que dois mais dois é quanto eu quiser que seja.

terça-feira, 14 de maio de 2013

livre do desassossego



O desapego é o fim, o início e meu único meio.

devaneios


o meu pedido é súplica, e a diferença entre um termo e outro está na urgência camuflada. o meu pedido é súplica, e normalmente o que peço é insensato e tolo, é passageiro e pequeno, é mínimo, é hiato sorrateiro e despercebido
eu sussurro
você atende a voz que te chama
a sinceridade por trás do nosso fato: não precisamos de instantes maiores do que essa presença, essa mão que segura a outra mão, trêmulas ambas e, ainda que trêmulas, corajosas no ato
as minhas palavras são todas dóceis, todas meninas, mas há um peso na garganta que arranha e maltrata. são dóceis porque eu já ouço tanta coisa amarga, guri, tanta coisa podre que eu não confesso nem a ti nem a ninguém. tanta coisa que açoita, e açoita mesmo, de arrancar filete de sangue e acumular lágrima na beirada dos olhos. você entende que minha pele é fina e minhas veias e vasos sanguíneos mais finos ainda? mal sei sobreviver, mal sei sustentar. meu pulso é uma proeza não explicada
guri, eu acho que tenho medo de arrepios. e de salmouras de origem ocular que percorrem as maçãs do rosto e os ombros nus e os braços sem pelos. e de sopros leves na nuca. e de pétalas que deixam cheiro e rastro nos dedos que tocam e se deixam tocar
penso que meu sobrenome é exato. escrevo e não falo, porque minha boca transformaria a beleza do dito em um confessionário embargado. sou temerosa quando as luzes estão acesas, quando outros olhos vermelhos encaram meus olhos vermelhos, e quando o meu corpo desaba em um choro convulso diante de um amigo que sabe que não pode me tocar porque a sinceridade do ataque é uma raridade que deve ser respeitada bem como a ausência de pontuação em todas as coisas que devem ser lidas em um só fôlego porque são desesperadas
eu creio em abrigos que não prendem nem tocam, mas acolhem e acalmam à distância
o meu susto é uma presença amena, guri
talvez isso seja o que mais doa
(ter uma dor bonita na roda)
(doa meu eu ao mundo)
(e dói um mundo em mim)
calado

farei

eu vou virar a própria mesa, quero uivar numa nova alcateia. vou meter o marlon brando nas ideias e sair por aí, pra ser jesus numa moto, che guevara dos acostamentos, bob dylan numa antiga foto, classius clay antes dos tratamentos, john lennon de outras estradas, easy rider, dúvida e eclipse, são tomé das letras apagadas e arcanjo gabriel sem apocalipse. sob a luz da lua, mesmo com sol claro

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Pronta-entrega (ou, se for mesmo amor, vale!)

Espio pela janela com um olhar afetuoso o recurso legítimo do amor e rendo-me, acreditando nessa pronta-entrega que me traz benefícios e sacia a minha gulodice sentimental.
 O amor vale, qualquer segunda-feira nebulosa, terça desastrosa, quarta sem prosa, quinta sem rosas, sexta pavorosa e no sábado a gente acaba se encontrando no barzinho da esquina para tomar umas e outras e colocar o papo em dia sobre todas as outras ladainhas que valem o amor.
O amor vale até o que não está no contrato. Vale o esforço do braço para dar um abraço sem merecimento. A lágrima de contentamento, os deslizes de pura alegria. As bochechas vermelhas, envergonhadas. O suspiro do coração florescido. O formigamento nas mãos. O versinho vulgar, inventado para agradar. A piscadinha discreta no jantar de família.
O amor vale os tombos, as enxurradas, as invernadas solitárias, a carta cheia de saudades. A espera no portão. A produção para o jantar íntimo.

O amor vale a exclusividade. A paciência de Jó, que geralmente não temos.

O amor vale ser bobo. Errar e desculpar. Dar um jeito na vida. Arrumar um lugar nas gavetas para outros pares de roupas. Vale tocar, apertar, ouvir música juntos, aquecer os pés, fazer uma gentileza, repetir um carinho.  

Vale pela taquicardia. Pela pronta-entrega. Pelas vontades saborosas.
Vale a doação, o carinho. O amor vale a ausência de qualquer teoria. Por si só o amor vale. E vale porque amar é bonito.


(Se for mesmo amor, vale!)

[Ita Portugal, falando por mim]

perto e distante


Quem garante
Que o que você é
É o que o outro enxerga?

domingo, 12 de maio de 2013

passado

"Então acham que o passado, porque já foi, está acabado e imutável? Ah não, sua vestimenta é feita de um tafetá furta-cor, e cada vez que nos voltamos para ele podemos vê-lo com outras cores."

(Milan Kundera)

sábado, 11 de maio de 2013

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Doce Guia




Não há como fugir do ontem porque ontem nos deformou

"Não há como fugir das horas e dos dias. Não há como fugir de ontem porque ontem nos deformou, ou foi por nós deformado. O estado emocional é irrelevante. Sobreveio uma deformação. Ontem não é um marco de estrada ultrapassado, mas um diamante na estrada batida dos anos e irremediavelmente parte de nós, pesado e perigoso. Não estamos meramente mais cansados por causa de ontem, somos outros, não mais o que éramos antes da calamidade de ontem. Calamitoso dia, mas calamitoso não necessariamente por seu conteúdo. A boa ou má disposição do objeto não tem nem realidade nem significado. Os prazeres imediatos do corpo e da inteligência não são mais do que malformações de superfície." 

(Samuel Beckett in Proust. Ed. Cosac & Naif, p. 9)

Tirado daqui

quinta-feira, 9 de maio de 2013

DEFINITIVO

Definitivo, como tudo o que é simples. 
Nossa dor não advém das coisas vividas, 
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram. 

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos 
o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções 
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado 
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter 
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que 
gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. 
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade. 

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas 
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um 
amigo, para nadar, para namorar. 
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os 
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas 
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender. 
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. 
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo 
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, 
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar. 

Por que sofremos tanto por amor? 
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma 
pessoa tão bacana
, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez 
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz
Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um 
verso: 
Se iludindo menos e vivendo mais!!! 
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida 
está no amor que não damos, nas forças que não usamos, 
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do 
sofrimento,perdemos também a felicidade. 

A dor é inevitável. 
O sofrimento é opcional...


Palavras emprestadas de Carlos Drummond de Andrade , perfeitas.....

Pra alegrar o meu dia


quarta-feira, 8 de maio de 2013

emoções? tenho, temos....

Mas dirás assim, por exemplo, como você sabe, sim como você sabe, a gente, as pessoas, infelizmente têm, temos, essa coisa, emoções, mas te deténs, infelizmente? o outro talvez perguntaria por que infelizmente? então dirás rápido, para não desviar-te demasiado do que estabeleceste, qualquer coisa como seria tão bom se pudéssemos nos relacionar sem que nenhum dos dois esperasse absolutamente nada, mas infelizmente, insistirás, infelizmente nós, a gente, as pessoas, têm, temos - emoções. Meditarias: as pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem há o que são e nem sempre se mostra. Há os níveis-não-formulados, camadas imperceptíveis, fantasias que nem sempre controlamos, expectativas que quase nunca se cumprem, e sobretudo emoções. Que nem se mostram. 

(Caio F. in: Os dragões não conhecem o paraíso)

essa!


terça-feira, 7 de maio de 2013

é!

Palavra revelada é fotografia da alma.

Homem sem camisa não entra


Mulher sem camisa não paga.
(Ilustração: francisco josé de souto leite)

Humor de hoje


que palavra é você?


Das mais bonitas às mais doloridas, não encontro a que lhe caiba. Preciso de uma palavra que lhe descreva, de uma palavra que lhe pertença. Preciso de uma palavra insone, de uma palavra que silencie. Preciso de uma palavra que seja fome, mas que também seja afeto. Preciso de uma palavra que morda, mas que também que sopre. Preciso de uma palavra que não se deixe levar por meus pronomes possessivos mas que, ainda assim, seja minha.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

O amor está no ar......

O amor está no ar...
Vai ver que é por isso que as vezes ele caga na nossa cabeça.